Uma mãe e sua filha foram presas pelo licenciamento de uma sala de massagem erótica de sua garagem em uma área suburbana do estado da Flórida, nos Estados Unidos. Anne Marie Dodge, de 55 anos, e Jennifer Lynn Dodge, 30, foram vítimas de uma operação policial na qual eles ofereceram seus serviços para dois agentes secretos, de acordo com o ecoge Infobae.

A polícia investigou os dois depois de ler um anúncio no adultguia que insinuou em oferecer mais do que apenas uma massagem. “Eu sou um terapeuta de massagem bonito, talentoso e licenciado que Deus usa para trazer energia de cura para você e trazê-lo para um novo nível de ecstasy. Especializado em massas profundas, cura e massagem energética”, disse um dos Os anúncios de Anne, de acordo com a polícia.

A importância dos vídeos eróticos

A comédia com sua dose de humor erótico vai subir ao palco do auditório do Centro Cultural Pablo Antonio Cuadra, sexta-feira, 6 de outubro às 7h30, anunciou Nabucodonosor Ganimedes Morales, diretor do grupo Ilustre Desconhecido. De acordo com Morales, a comédia Monólogos da vagina e do pênis, apresenta várias histórias em que o mundo dos adultos, do machismo, do assédio e da insensibilidade social é questionado.

Essa peça, acrescenta Morales: “eleva diferentes realidades e maneiras de entender a sexualidade e a luta de gênero”. Sob a sua direção irá atuar Rencel Castillo e Romel Martínez. Eles serão acompanhados por Fernando Escorcia em percussão e Marvin Valdivia no violão. Mais de dez cantores famosos como Celia Cruz, Juan Gabriel, Paquita la Barrio, Vicente Fernández, Marco Antonio Solís, Juan Luis Guerra, Amanda Miguel, mostram um repertório de rancheras, cumbias, bachatas, baladas e merengue.

Igualmente parodem os diretores e personagens das empresas do teatro nacional. Também recita Lo fatal, Rubén Darío, e mostra a dança palo de maio, enriquecendo o show com seu toque de humor nicaraguense. O espectador participa de algumas cenas. Também é constantemente questionado. “Você trastocas quando diz que ele é” ingrato “ou” estúpido “para acordá-lo”, diz César Paz, diretor do trabalho. Sucedendo a ele e deixando-o rir.

Para Paz, os rios nicaraguenses em suas unhas e desgraças diárias, o trabalho diz isso com verdades diretas e ácidas, mas com uma excelente dose de humor. Paz, “por exemplo, na parte dos idiotas, dizemos que existem idiotas que são dados como autores e escondem-se atrás de um fantoche, ou às vezes nos tornamos fantoches de vida e somos manipulados”. Nesta peça, mesmo os próprios fantoches são criticados. Sem laços em suas cenas ou pinturas, Paz diz que é teatro dentro do teatro que vai mais longe ao negar o próprio teatro e contradizê-lo. Ele rompe com a estrutura linear de início e fim, isto é, é uma dramaturgia quebrada. “Você fala sobre um assunto e passa para outro, no final aborda os problemas do artista, as mudanças geracionais, a falta de apoio ao artista”, diz o diretor.